sábado, 25 de setembro de 2010

Se eu fosse teu lírio do campo


imagem/Scott Pecks por Berussa





Se eu fosse teu lírio do campo não me perderia como formiga de plástico nessa primavera de olhares sintéticos,
seria testemunha da minha água viva e não deixaria engarrafar-me para satisfazer a sede
amotinada das minhas torres de papel.
Acreditaria na fidelidade e na fecundidade do grão do olhar único e não deitaria nas mansardas em delírios minhas secretas trovas a ti....
Se eu fosse teu lírio do campo/da minha nova pátria/ te amaria até o fim e te acordaria sempre com meu beijo quente em sol maior como este com que me acordaste hoje ao amanhecer...

www.lilianreinhardt.prosaeverso.net/visualizar.php

3 comentários:

EDER RIBEIRO disse...

Os teus poemas me enebriam querida Lilian. Bjos.

mundo azul disse...

_________________________________


Lilian, a quanto tempo não lia as suas composições... Esse texto tem a sua marca registrada! Terno e emocionado, como as pessoas que amam...


Beijos de luz e o meu carinho!!!

_______________________________

Madalena Barranco disse...

"não me deixaria engarrafar" - Lilian, a água corre livre pelas suas palavras poéticas e mostra o quanto pertencemos ao líquido que rege nossos corpos... Lindo!

Beijos, com carinho,
Madalena