segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

FLORES DO TEMPO


Tenho apenas essas flores do tempo
flores do agora
guardo apenas esses sorvos da hora
mas o infinito recurva-me os horizontes
e floresço também com esses olhos
nas pétalas dos teus
pelos domos salgados
lírios dos teus montes
tenho apenas essa vírgula
essa vigília
esse pouso essa colméia
esse vitral guardado
esse ponto ensimesmado
peregrino
sobre as sombras de todas as coisas

2 comentários:

EDER RIBEIRO disse...

E tens muito, a tua sensibilidade agiganta-se qdo vc a traduz pela poesia... "guardo apenas esses sorvos da hora/mas o infinito recurva-me os horizontes/e floresço também com esses olhos"... e são os meus que ganham a noite por estes versos. Aplausos. Bjos.

Lucia Constantino disse...

Uma belíssima obra -- tens tudo, tens inspiração, inteligência, o dom de dar vida à beleza em palavras. Parabéns! Beijos.